POETA DO DIA: Adriano de Sousa

Redação30 de abril de 2019Poesia, Image

BOCUGE

Não é mesmo flor
que se cheire, o cu.
Mas nem o fedor
não repele o cúpido

e contumaz beija-flor
quando emproa o curso
à busca do palor
apaziguado a cuspe.

Língua, dedos, verga
varam a fauce rugosa
e colhem, às cegas,

a flor sulfurosa
no buquê de merda.
No entanto, rosa.

(Adriano de Sousa)

Sobre o autor

Redação

Obrigado pela visita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *