Potiguar é destaque entre 800 autores em prêmio internacional de literatura

Existe um potiguar que concorreu e ganhou Menção Honrosa na 4ª edição do ‘Prêmio Literário Novos Talentos, Novas Obras em Língua’, promovido pela Unidão das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).

José Maria da Silva Nascimento, 26 anos, natural de São Gonçalo do Amarante, servidor público e residente em Macau não levou o prêmio, que ficou para a obra, ‘Praças’ de António Pedro Correia. Mas dos quase 800 escritores que inscreveram suas obras, de vários pontos geográficos do mundo, somente José Nascimento e um outro escritor levaram Menção Honrosa do júri. “Eu não esperava, fiquei feliz”, comemora ele, pela escolha do seu livro de contos.

A obra que chamou a atenção do júri foi ‘Cidade de Cinzas’, cuja descrição na página da UCCLA, revela:

“Cidade de Cinzas reúne um conjunto de contos onde desolação, desencanto e morte são o diapasão a que se mantém fiel esta linguagem exata, com descrições frias, frases curtas, imagens decetivas. Um suicida, o desemprego; a doença, a cegueira, seja ela literal ou figurada, a síntese destes contos com ações passadas no Brasil encontra numa atmosfera bélica, asfixiante, a exata medida da nossa época, as cores de céu baixo que toldam a nossa última fase histórica e industrial: a cor cinza: Noite, semáforos vermelhos eternos, buzinas, resmungos, frenagens bruscas, poluição audiovisual e mental. Guerra. Choque de verbos, gritos, choros de criança, vaivém louco e enlouquecedor, senhas de cartão, shopping, beijo e não amor. Sacolas, compras, sorrisos, etiquetas, mãos orgulhosas. Tilintar de chaves, som chato de meia embreagem, celular tocou, celular toca, celular tocará, ligações perdidas, notificação de celular descarregando, batepapos digitais… Névoa rubra de ódio, cascas de bondade, jogos de palavras, embrião de sonhos perdidos, vidas sem sentido. Lixo industrial, lixo químico, lixo social, lixo humano, lixo, lixo, lixo… Ansiedades, retorno para casa, congestionamento de carros, sirenes, possível acidente com mortes a alguns quilômetros, tentação de largar o carro e seguir a pé, inferno de luzes, detergentes e flanelas, moedas. Inexistência do ser, existência do produto. Contos sobre o homem e a sua fratura, o seu abismo.”

Esta edição contou com 779 candidaturas oriundas de mais de 20 países espalhados pelo mundo. Poderá conhecer todos os dados estatísticos desta edição AQUI.

O Prémio Literário é uma iniciativa conjunta da UCCLA, Editora A Bela e o Monstro e Movimento 2014, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa e da Comissão Temática para a Promoção da Língua Portuguesa dos Observadores Consultivos da CPLP.

Sobre o autor

Redação

Obrigado pela visita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *