Para o dia amanhecer poesia de Franco Jasiello

Redação12 de março de 2019Poesia Image

GRANDE PONTO

O relativo inexiste de esquina a esquina.
Há o evidente certo lúcido límpido absoluto.

Jaquetões gravatas finas juízes sapatos espelhados
poema-processo trovas café pitombas quase
deputados.

O passado resiste valente nas próteses dentárias
nas estenoses dialéticas de duras coronárias.

Secretamente divulgam-se assuntos reservados.
A multidão é íntima de senadores e generais.

Nascente fulcro catedral umbigo do intelecto
versos de mimeógrafo contra bimbalhar de sinos.

Os bares e os poetas foram demolidos.
A fofoca legítima fugiu para os jornais.

(Franco Jasiello)

Sobre o autor

Redação

Obrigado pela visita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *