Para amanhecer poesia de Iracema Macedo

PIX: 007.486.114-04

Colabore com o jornalismo independente

BURKA

Essa estrangeira sem nome, sem rosto, sem riso
Disfarça, mas me olha, de dentro de seu abismo
Ela viaja comigo: sombra calada, monja
Meio fantasma, meio ferida
Sobrevivente de nada, queimada, ardida
Sob véus calcada, sob véus contida
Me prendendo também
Em sua cripta

(Iracema Macedo)

Redação

Redação

Obrigado pela visita!

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *