O DNA e as doenças de Beethoven

PIX: 007.486.114-04

Colabore com o jornalismo independente

Há poucos dias, recebi do amigo Carlos Alberto Araújo, confrade da Academia de Medicina do RN, postagem a respeito de matéria publicada no NYT, que se reporta a estudos recentes sobre as causas da morte de Beethoven, ocorrida quase 200 anos atrás. Os estudos, publicados na revista Current Biology, amplo órgão de divulgação das ciências biológicas, foram realizados na Universidade de Cambridge, Reino Unido, tendo à frente o pesquisador e professor Tritan Begg, na condição de líder de um grupo.  Esses pesquisadores de genoma antigo, na referida universidade, extraíram material genético de sete mechas de cabelo preservado de Ludwig van Beethoven. Das sete mechas, cinco amostras combinaram entre si e foram consideradas como autênticas de serem do famoso compositor. Os métodos avançados de sequenciamento do DNA permitiram o êxito da atual pesquisa. Êxito no tocante às doenças que levaram ao falecimento, porém, com pouco avanço no tocante à causa da surdez progressiva que muito afligiu a vida desse fantástico gênio da música.

Beethoven nasceu em 15 de dezembro de 1770, em Bonn, Alemanha, e faleceu em 16 de março de 1827, em Viena, na Áustria. Em 1796, com a idade de 26 anos, Beethoven começou a perder a audição, o que veio a tornar-se seu grande martírio.  Neste estudo realizado com o DNA colhido da amostra do cabelo do compositor, consta que Beethoven, 25 anos antes da sua morte, ou seja, em 1802, escrevera uma carta aos seus irmãos na qual, diante da crescente surdez, pedira apoio por parte deles para implorarem ao seu médico uma cura do seu problema de audição. Begg e seus colegas especularam o genoma do compositor em busca de diversas condições ligadas à perda de audição, mas não chegaram a uma conclusão.  Marcadores genéticos de Beethoven indicavam risco elevado de desenvolver Lúpus, mas essa doença não é causa de surdez.

O pesquisador Walther Parson, biólogo molecular forense da Universidade Médica de Innsbruck, linda capital da região do Tirol, na Áustria, que já atuou em outros casos históricos, a exemplo da identificação, em 2007, de dois filhos de Nicolau II, último czar do Império Russo, descarta a chance de Lúpus, mas afirma sobre a pesquisa: “É uma grande conquista tecnológica.”  Agora, o novo caminho poderá ser o estudo genético da otosclerose sofrida por Ludwig van Beethoven, quando um minúsculo osso do ouvido, chamado estribo, se funde a outras partes do órgão.

Em abril de 2021, publiquei neste Papo Cultura o texto “As doenças de Beethoven”, no qual relatei as principais enfermidades que vitimaram esse gênio da humanidade.  Além da sofrida surdez, citei frequente colite, hemoptise, hepatite, dores reumáticas, grande uso de álcool, e, com destaque, a cirrose hepática, constante na certidão de óbito.  A perda progressiva de audição, desde a idade de 26 anos, levou Beethoven a externar o intuito de cometer suicídio, livrando-se desse gesto extremo em face do seu grande amor à arte musical.

Este recente estudo sobre as doenças de Beethoven, realizado na Universidade de Cambridge, Reino Unido, se não trouxe novidades quanto às doenças do grande gênio mundial da música, trouxe a certeza desses diagnósticos, amparada nos avanços do sequenciamento de DNA de amostras degradadas por longo tempo.

 

Daladier Pessoa Cunha Lima

Daladier Pessoa Cunha Lima

Primeiro reitor eleito da UFRN. Exerceu o cargo de 1987 a 1991. Graduado em Medicina pela UFRN (1965), tem especialização em Medicina do Trabalho e Administração Universitária, com vivência em instituições universitárias no exterior. Ao se aposentar, abdicou da Medicina e optou pela Educação, tendo se dedicado à instalação da FARN, atual UNI-RN, no ano de 1999. É, ainda, membro da Academia de Medicina do RN e do Instituto Histórico e Geográfico do RN. É autor dos livros Noilde Ramalho – uma história de amor à educação e Retratos da Vida, além de outras publicações. E em abril/2017 foi eleito para a cadeira nº 3, da Academia Norte-rio-grandense de Letras.

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *