A realidade da Comunidade Cigana de Tangará em 10 imagens

comunidade cigana

PIX: 007.486.114-01

Colabore com o jornalismo independente

Fotografar comunidades em situação de risco tem sido sempre uma experiência ambígua: um compadecimento pelo sofrimento em que vivem e alguma esperança que emana do acolhimento que oferecem.

A Comunidade Cigana de Tangará, cidade do Trairi potiguar, a 82 quilômetros de Natal, está assentada próxima às margens da BR 226 há cerca de dezoito anos. São aproximadamente 50 pessoas vivendo em uma pequena área destinada pela prefeitura local.

Entre os moradores, que ocupam algumas casas e várias tendas, estão pessoas de todas as idades, mas especialmente crianças.

A comunidade de origem Calon, ciganos conhecidos como “ibéricos”, prefere falar sobre o presente em lugar do passado.

Theo Alves

Theo Alves

Theo G. Alves nasceu em dezembro de 1980, em Natal, mas cresceu em Currais Novos e é radicado em Santa Cruz, cidades do interior potiguar. Escritor e fotógrafo, publicou os livros artesanais Loa de Pedra (poesia) e A Casa Miúda (contos), além de ter participado das coletâneas Tamborete (poesia) e Triacanto: Trilogia da Dor e Outras Mazelas. Em 2009 lançou seu Pequeno Manual Prático de Coisas Inúteis (poesia e contos); em 2015, A Máquina de Avessar os Dias (poesia), ambos pela Editora Flor do Sal. Em 2018, através da Editora Moinhos, publicou Doce Azedo Amaro (poesia).

Como fotógrafo, dedica-se em especial à fotografia documental e de rua, tendo participado de exposições que discutiam relações de trabalho e a vida em comunidades das regiões Trairi e Seridó. Também ministra aulas de fotografia digital com aparelhos celulares em projetos de extensão do IFRN, onde é servidor.

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

2 Comments

  • Theo Alves
    Theo Alves

    Salve, Ruben! Demorei a ver o comentário, mas sempre é tempo, né 🙂
    Fico muito grato e honrado por você ter gostado das fotos, ainda mais conhecendo e sendo parte do povo.
    Muito obrigado! Optchá!

  • Ruben G Nunes

    Theo-velho gostei muito das suas fotografias sobre os calóns de Tangará. Meu pai era calón português. Parabéns pelas imagens. Optchá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidos do mês