cia bagana de teatro

Projeto Montando a Palhaçaria chega a Apodi neste sábado

Sérgio Vilar20 de maio de 2019Agenda, Image

A Cia Bagana de Teatro apresenta neste sábado, a última sessão do Projeto Montando a Palhaçaria – aprovado na Lei Estadual de Isenção Fiscal de Incentivo à Cultura – Lei Câmara Cascudo e patrocinado pela COSERN. Será na Escola Estadual Zenilda Gama, em Apodi. O espetáculo já esteve em Natal, Mossoró, Parnamirim e Areia Branca.

O projeto enfoca a temática dos afetos na rotina feminina e a inserção da tecnologia (celular e redes sociais) nesse cotidiano. A linguagem da palhaçaria é utilizada para promover – através de um espetáculo divertido e voltado para todas as faixas etárias – uma reflexão acerca dos prejuízos do excesso do uso do celular e das tecnologias, que tem deixado o humano doente e dependente deste meio tecnológico, o qual ao mesmo tempo que aparece como aliado em tempos de modernidade, está se tornando nocivo.

“Estamos aproximando quem está longe e afastando quem está perto, transformando o humano em coisa e humanizando a coisa”, conta a atriz Joriana Pontes.

Segundo ela, as relações intra e interpessoais precisam ser valorizadas como arcabouços para a história de cada um. “Somos seres de interação porque nos relacionamos com as pessoas, não só de forma virtual, mas também íntima e pessoal. À vista disso é que foi pensada a discussão/reflexão dessa temática a partir da liberdade poética da arte da palhaçaria feminina clownesca”.

Outro aspecto relevante nesta articulação são os locais escolhidos para as intervenções: bairros inseridos em situação de vulnerabilidade social, beneficiando principalmente as escolas públicas localizadas ali, pretendendo minorar a marginalização de povos e a falta de acesso à arte e à cultura do nosso Estado.

O espetáculo A Coisa do Humano, a oficina de palhaçada, a palestra sobre as mídias digitais e as rodas de conversa após o espetáculo elucidam as diversas formas saudáveis de uso dessas mídias, esperando contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, valorizando as concepções de afetos de quem está longe e de quem está perto.

Sobre o autor

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *