Para o dia amanhecer poesia de François Silvestre

Sérgio Vilar25 de julho de 2019Poesia, Image

Pátria íntima

Sou Paraíba, Rio Grande, Ceará. Eu sou daqui, sou do mundo o que é que há?
Sou baiano, sem nascer na Bahia. Viu, maluco?
Pra onde vou eu levo o Piauí, levo Alagoas, Maranhão, Sergipe e Pernambuco.
Qualquer desses nomes é meu nome.
E o seu? Carioca ou caricato?
Carioca é Tom Jobim.
Cá pra mim, você nem cariocaria
Onde Cartola e Pixinguinha
Carinhosamente cariocavam.
Você é feito flor de cebola braba,
Que nasce no charco numa noite de chuva
E pela manhã na mesma lama se enterra.
Eu sou Cajuais da Serra.

(François Silvestre)

Sobre o autor

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *