Museu de Acari recebe acervo com 48 fotografias dos vaqueiros tradicionais do Seridó

Museu Histórico de Acari

PIX: 007.486.114-04

Colabore com o jornalismo independente

As imagens serão entregues sábado pelo fotógrafo Pablo Pinheiro. Elas foram selecionadas do ensaio “Nossos Entes”, vencedor de importantes prêmios nacionais.

Há mais de dez anos documentando e pesquisando os vaqueiros de gibão do Seridó, o fotógrafo e mestre em antropologia Pablo Pinheiro construiu um expressivo e peculiar acervo etnofotográfico contemporâneo sobre esse personagem tradicional nordestino, e agora uma parte significativa desse material vai compor o acervo permanente do Museu Histórico de Acari, cidade em que Pablo Pinheiro concentrou seus registros e estudos. A entrega das fotografias – um total de 48, no tamanho A4 (21cm X 29.7cm) – será no próximo sábado, 23, às 9h, como parte integrante da programação da 17ª Primavera dos Museus em Acari.

Pablo Pinheiro deixou a curadoria a cargo de três representativos vaqueiros de gibão da região – Zé Leite, Ademildo e Lécio Santos –, pois quem melhor poderia selecionar as imagens retratando esse ofício e cultura centenários ainda presentes no cotidiano acariense senão aqueles que vivem ou viveram seu dia a dia? As fotografias escolhidas fazem parte do ensaio que Pablo fez para a ação “Nossos Entes”, vencedor do Prêmio do IPHAN Rodrigo Melo Franco de Andrade (2020), do Prêmio Ana Maria Galano (2021) – um dos mais importantes das ciências sociais no país – e do Prêmio Pierre Verger/ABA (2022).

A ação, realizada em 2019 como uma forma de contribuir para a preservação da memória e identidade, evidenciou o tradicional vaqueiro nordestino (do gibão de couro) por meio de uma intervenção urbana em Natal utilizando o lambe-lambe como suporte para afixar nos muros da cidade 60 imagens impressas de 2 metros de altura mostrando vaqueiros de corpo inteiro com suas vestes.

A doação e entrega de 48 imagens desse ensaio para o Museu Histórico de Acari são um gesto efetivo no sentido de ajudar a manter viva a memória do vaqueiro e de um povo, mas também, no caso de Pablo Pinheiro, uma forma de agradecimento a Acari e aos acarienses. “Foram muitos anos, muita aprendizagem, muitos alpendres, é o mínimo que posso retribuir com tanto que vivi. Este resultado é feito a muitas mãos e precisa ser de todos, para todos.”

Redação

Redação

Obrigado pela visita!

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *