Exposição de Eduardo Alexandre está aberta à visitação na AL

eduardo alexandre

PIX: 007.486.114-04

Colabore com o jornalismo independente

A exposição ‘Um Outro Mundo’, do artista plástico Eduardo Alexandre Garcia, o Dunga, está aberta à visitação no Salão Nobre da Assembleia Legislativa do RN, logo ali na entrada. São 18 obras em acrílico que estarão expostas até esta sexta-feira (20). No local também acontecerá, nesta terça,feira, às 14h, o relançamento do livro “Das lagoas azuis ao Ponto Negro: minha cidade Natal”, do mesmo autor.

Sobre a exposição de Eduardo Alexandre, deixo as palavras do poeta, agitador cultural e colecionador de artes Plínio Sanderson:

Por Plínio Sanderson

POLIPOLARIDADE DO OLHAR

“Tudo que existe na obra de arte, na verdadeira obra de arte, é o mundo – e o vestígio dele capturado entre os dedos do artista” (Merleau Ponti).

Amálgama da Arte na cidade do Natal, Eduardo Alexandre é ícone insurgente na ontológica Galeria do Povo, bendita praia dos Artistas. Quantos poetas, artistas eclodiram naquele que servia de point e ponte para aquela geração sufocada pelas agruras da ditadura?

Dunga, como é conhecido nas ruas e becos dessa província submersa, é um gigante que ecoa sua verve em várias nuances da criação: poeta, escritor, jornalista, agitador cultural, atualmente, coleciona e perpetua recortes da cidade onipresente com sua máquina fotográfica, arqueólogo imagético dos fatos e personas da/na cidade.
Ao cerne, sua vastíssima obra enquanto artista plástico é simplesmente perturbadora, desde fim dos anos 70 do século passado, já realizou mais de 500 exposições de rua e em espaços públicos. Afirmei outrora: a Pintura de Eduardo Alexandre não cabe em Natal. Tem que sair de nossas fronteiras, mostrar-se ao mundo…

“Nada como um sopro de ar fresco numa sala repleta de miasmas”, vaticinou o crítico Marcílio Farias. Nonada igual na pictografia Eduardiana. Técnica táctil, aplicação gestual as tintas, um pintar acariciando as telas num transe estético – nada estático. Suas exuberantes obras são peças oníricas, afinal, qual função da Arte se não destruir a brutalidade da matéria? Domador de pigmentos que desemboca no mais absurdo Abstracionismo (ou seria Expressionismo Abstrato?) que levam a caminhos nunca dantes vistos por olhos in-sensíveis.

Sua Arte Possibilista, abre as portas da percepção, como coisas vivas que pululam/pulsam aos olhos absortos e extasiados. Nada é o que parece ser, aliás, seres brincantes/fulgurantes na imaginação, ressaltam e se escodem no lusco-fusco do inconsciente, numa intrigante polipolaridade cromática que desperta olhares cansados das mesmices cotidianas.

Sérgio Vilar

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *