Bandido bom é bandido morto?

por Cláudia Canto

Nas últimas semanas estive em mais de cinco presídios. Foi uma das experiências mais marcantes da minha vida. Acredito que terei de viver mais 20 anos para presenciar novamente uma situação tão assustadora.

Posso afirmar categoricamente que o que testemunhei seria capaz de fazer muita gente ranger os dentes e pessoas inertes repensarem sua omissão.

Confesso que, quando tive a ideia do texto, pretendia fazer uma resenha acadêmica, sem o apelo da primeira pessoa. Mas não teve jeito, a primeira pessoa tomou as rédeas e o viés acadêmico e jornalístico tomou seu devido rumo.

O texto é antes de tudo um grito de socorro.

O sistema prisional brasileiro configura praticamente uma rede de campos de concentração de pretos, pardos, mulatos, pobres e dependentes químicos, onde a lei do mais forte é a única que realmente funciona.

Todos sabem, todos imaginam, todos lamentam, todos excluem, todos fingem que o problema não é seu.

A barbárie institucionalizada é apoiada pelas grandes mídias e por especialistas com visões pouco profundas, que vivem multiplicando a velha máxima: “Bandido bom é bandido morto”. Como se não tivessem culpa, como se sua inércia não contribuísse para tal situação. Bandido morto, somente quando é filho da vizinha, os deles com certeza legitimariam e dariam uma segunda chance.

O ódio é alimentado por uma sociedade excludente, que subjuga, condena, e depois reclama do aumento da criminalidade e da eterna crise em que vivemos.

A escola falhou, a sociedade, a igreja, a família e a oligarquia estruturada desde a nossa artesanal colonização também. O velho ranço escravocrata permanece até os nossos dias.

Isso mesmo, continuem assim, protelando suas responsabilidades.

Como se os presos fossem ficar trancados para vida toda, como se um dia eles não fossem sair de lá e ameaçar suas vidas de pequenos burgueses.

Um país onde a tornozeleira eletrônica, prisão domiciliar e afins, são reservados apenas aos membros da dita elite, que quando roubam, o único castigo que recebem é ir para o cantinho da disciplina das suas luxuosas mansões. É uma justiça distorcida, só para gringo ver.

Justiça politizada, arcaica, e estruturada em leis, cuja aplicação depende da conta bancária.

A sociedade precisa encarar este problema de frente.

Reitero que, se não por eles, os ditos condenados, que seja por seus filhos e netos que herdarão este país. Apelo sim, para a família, se assim se faz necessário, nesta sociedade pouco pensante, que só olha para o próprio umbigo.

Vítimas do tráfico

Mais de 70% dos presos estão lá por envolvimento com o tráfico e muitas vezes por serem dependentes químicos. Uma epidemia que assola o país, porém os doentes com pedigree são levados às clínicas de recuperação, enquanto os outros aumentam as estatísticas na cadeia.

O que escutei de uma boa parcela destes excluídos, foram verdadeiros gritos de socorro de dentro do cárcere.

As instituições são omissas e não prestam assistência psicológica e social adequada. A situação somente é amenizada graças à dedicação de abnegados heróis anônimos, que tive o grande prazer em conhecer, tais como psicólogos, padres, pastores, assistentes sociais etc.

Pergunto-me: cadê a nossa “elite”, os empresários, a dita hierarquia acadêmica deste país, que não fazem nada?

Ao andar pela Cracolândia em SP, um dos grandes berços destes delitos, me deparei com cenários análogos aos campos de leprosos, todos ali unidos por um único fio condutor: as drogas.

Mãe passou a noite ao lado do filho, na “nova” Cracolândia para evitar que ele usasse drogas.
Crédito: Claudia Canto

Juntos, incomodam e acabam se tornando um cartão postal deste país, jogados às traças por causa de meia dúzia de aproveitadores, que ainda hoje vivem de títulos, foro privilegiado e relacionamentos.

A dita oligarquia, prostituída no seu berço esplêndido, finge que não enxerga. Sentem-se satisfeitos por entenderem que fazem a sua parte, incluindo por exemplo a suposta libertação dos escravos, que na verdade foram atirados na rua, sem estrutura, sem trabalho, sem nada. E esta problemática permanece até hoje, manifestando-se nas cadeias, favelas etc.

São incapazes de empreender a inclusão cultural, a começar pelos seus empregados, e de transmitir o conhecimento adquirido em suas escolas privilegiadas.

Isso mesmo, continuem assim, enfiando a cabeça na areia como avestruzes. A Europa é um exemplo vivo da ação das leis da Natureza, que age como um grande bumerangue. Os emigrantes, outrora escravizados, hoje invadem o seu território via terra e mar.

É o êxodo dos ex-escravos!

Nada passa impune, a natureza cobra. Se não acreditam no revés da natureza, pois que estruturem seus conhecimentos através dos livros de história.

Haverá o dia em que estas caveiras sairão dos seus armários da sala de estar.

Ou tomamos alguma atitude agora, ou o verniz de nossas farsas escorrerá por cima das nossas maquiagens.

Senhores, façamos alguma coisa!

Precisamos rever as leis anti-drogas, a proibição que incentiva o crime, as aulas de prevenção nas escolas, a inclusão cultural, a cultura da corrupção etc.

Onde não temos justiça, educação, segurança e cultura, o poder paralelo toma conta.

A hora é agora, se não por amor, que seja para evitar a dor!

About The Author: Claudia Canto

Claudia Canto

Jornalista literária, escritora, palestrante e apresentadora

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *