Será que dobrei a esquina errada?

PIX: 007.486.114-04

Colabore com o jornalismo independente

De vez em sempre eu me pego questionando os caminhos em que minha vida está inserida e seguindo, porque nada aqui foi planejado, tudo foi acontecendo, nunca parei para direcionar absolutamente nada e hoje vejo que isso teve seus ônus e tem seus bônus. E sei bem que cada escolha que a gente faz na vida é uma oportunidade de traçar o nosso próprio caminho e lembrar que a vida é feita de escolhas e que cada uma delas molda o nosso destino, ainda é a uma saída para acalmar o meu coração. Parece papo de coaching, mas é a mais pura verdade.

Eu queria ter nascido com um mapa já todo pronto, facilitaria muito!

Tenho certeza de que se eu tivesse tomado algumas decisões mais inteligentes eu estaria trilhando um caminho mais confortável, mas será que eu estaria feliz? Será que eu teria vivido o mesmo tanto de coisas e experimentado os lados bons e ruins de viver? Não sei.

Sempre tive muito medo de mudar e não ser aceita pelas pessoas, então mesmo não fazendo o caminho ideal para alguns, eu resolvi arriscar, acertei em algumas escolhas e me lasquei em algumas outras, mas hoje entendo que os desacertos pelo caminho podem até me feito perder tempo, oportunidades, amores e pessoas, mas foi extremamente importante para o meu crescimento e conhecimento pessoal.

Eu não sei o que danado faço da minha vida que quando quero seguir um caminho e me programo pra fazer tudo dentro do plano, do mais absoluto nada, me desoriento e chego em outro caminho e sempre bem longe da minha área de conforto. Quando eu me vejo, lá estou eu abrindo novas rotas no meio de uma mata fechada e foi assim, sendo essa pessoa sem bússola, que consegui ser o que sou hoje. Ou seja, uma viciada em acasos.

Como a vida não vem com GPS, eu venho tentando fazer dos meus caminhos e escolhas processos de realização pessoal, coisas que eu me orgulho de ter conquistado e muitas vezes sozinha numa dificuldade danada, mas entendo também que se a vida fosse fácil seria tão chato, né? Que emoção teria uma conquista fácil? Nenhuma. Todas as vezes em que eu, com a maior coragem, resolvi fazer escolhas alinhadas aos meus valores e sonhos, ainda que isso seja extremamente desafiador, eu acredito que o poder das minhas decisões junto ao potencial de esforço que coloco para fazer acontecer, tem grande chance de transformar a minha vida. E geralmente é isso que acontece.

Eu sei que a vida é feita de altos e baixos e que a gente se enche de frustrações porque nos é cobrado sempre escolher caminhos idealizados nas propagandas de margarina enquanto a vida nos mostra que o buraco é mais embaixo. A gente erra caminhos e escolhe errado um monte de coisas: empregos, relações amorosas e amizades, por exemplo, e muitas destas situações que acontecem na vida da gente, faz a gente se cobrar tanto e isso se dá porque errar um caminho nos frustra e nos deixa impotentes em não realizar o que para alguns era o certo. Mas eu ainda assim, corro o risco.

Mas eu não vim aqui nesse texto falar sobre escolhas profissionais nem dar conselhos sobre destino corretos e nem muito menos dar 10 dicas para escolhas perfeitas, porque jamais saberia, isso eu deixo pros amigos coachings com as suas receitas prontas. Comecei esse texto pra falar de algo que tem mexido comigo, quero falar sobre escolhas nas relações.

Isso se deu esses dias em que parei pra avaliar minhas relações afetivas e me dei conta de que todas as vezes em que escolho me relacionar com alguém amorosamente eu me lasco. Acho que talvez eu erre quando abro um caminho livre demais para o outro entrar ou eu saio do meu pra seguir o caminho do outro. Esse meio termo é foda, e eu nunca vou saber como fazer e me sinto uma idiota quando percebo que estou na trilha errada. Porque essa rota não vem no nosso DNA, heim?

Os caminhos da minha vida amorosa são sempre andando na corda bamba entre os medos e os desejos, ceder, acolher e fazer milhões de escolhas sem ter garantia de absolutamente nada. E porque a gente quando escolhe o caminho de gostar de alguém sempre fica tão vulnerável a se perder no caminho das nossas escolhas para ceder ao caminho do outro?

Enquanto estou no meio deste devaneio, o Djavan tá tocando agora em minha playlist e insiste em cantar “Só eu sei as esquinas porque passei” e um filme passou na minha cabeça, de todas as caminhadas nas estradas tortas da minha vida amorosa, foi quase um passeio num trem fantasma desgovernado, a cada esquina um susto, um pânico, um gatilho. Eu agora estou aqui pensando se isso foi sorte ou azar mesmo. Eu quero acreditar que foi sorte, já a minha Avó diria que foi livramento. Mas qual será o caminho certo para o nosso coração? Não existe escolha certa. Tem que experimentar e viver. Viver na constante dúvida é o pior erro do mundo, é sempre optar pela dúvida em si e abandonar o caminho de poder experimentar os sentimentos. Mais uma vez eu prefiro tentar o caminho do risco, deixar a intuição me guiar.

Venho entendendo que validar as minhas escolhas intuitivas me faz crescer como ser humano, aprendo a ser melhor e evoluir, e não posso nunca cobrar isso de outra pessoa que não acertou o seu caminho ainda, ou até sabe o que quer, mas prefere brincar na carência das pessoas por puro prazer sádico, ou total falta de maturidade. Eu nunca vou carregar culpa por escolher o caminho do amor. Eu vou, eu dou, eu sou e quem for comigo se dar bem, eu sou uma excelente companheira de jornada. Eu quero dobrar a esquina do amor e persistir nesse caminho e podem me chamar de emocionada, eu me jogo mesmo, não sei ser diferente.

Quero transcender o medo e escolher esse caminho como evolução: no medo ou no amor. Eu quero é viver, essa é uma escolha diária. Quero caminhar no amor em todas as minhas decisões, fazer acontecer, me guiar por ele e me permitir e se o outro não vier com a mesma disposição para construir junto comigo essa jornada, solto a mão dele facilmente, mesmo que depois eu chore, sinta a falta, Sigo pelo mesmo caminho e eu sei que vou encontrar quem queira percorrer esse risco de dar certo comigo.

Aprendi a confiar e respeitar as minhas escolhas e confio que o universo todo está aqui pra me apoiar a tomar as melhores decisões. Também está para me trazer as pessoas que serão benéficas para o meu crescimento e nisso hoje eu tenho nos meus amigos e companheiros de trabalho, mas falar sobre amizade merece um texto a parte e vai ser feito em breve.

E se a moda no caminho do amor é não criar expectativas, eu quero todas elas, pago pra ver e deixo o universo me surpreender. Não gosto de gente metódica, que tem medo de se permitir sentir, por covardia, por não querer viver coisas novas, que precisa da aceitação e opinião de outros, ou por ser um cagão mesmo (sim eles existem e detestam mulheres como eu). Eu quero é me jogar pra não morrer de sede em frente ao mar e saber que as esquinas em que passei me construíram e me fortaleceram pelo caminho de ser uma mulher foda! E que todos os dias ao acordar eu vou entrar nos arredores do amor, vivendo as escolhas sejam elas quais forem, e feliz, reparando que o dia nasceu. Isso, só eu sei! Toda esquina é uma possibilidade.

Carla Nogueira

Carla Nogueira

Carla Nogueira, mais conhecida como Carlota, formada em gestão de pessoas, com MBA em gestão humanística de pessoas. É multicriativa e fundadora do Estúdio Carlota Coletivo Afetivo, criando oportunidades para gerar potência e oportunidades de fomentar a arte, a cultura e as pequenas marcas com grandes ideias. Notívaga, cervejeira e sarcástica, escreve sobre suas percepções diante dos fatos do dia a dia.

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

2 Comments

  • Noelma

    “Essa pessoa sem bússola, uma viciada em acasos”. Talvez esse seja o melhor norte da sua vida.
    Não deixando passar em branco, quero enaltecer sua escrita ao escrever avó com A maiúsculo. Me emocionei bastante com seu texto, me vi muito dentro dele. E a vida não é assim? Sigamos!

  • Neyre Guimarães

    Texto super necessario!!! Poderia ter sido escrito por mim, já q compartilho de toda sua essência, mas como não tenho o dom da escrita, só tenho que parabenizar, aclamar e dizer p autora q ela é foda e uma mulher fantástica ao expor tantas verdades!! Sigamos sendo de verdade!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *