Classe artística cobra ao prefeito nomeações técnicas à Funcarte

Álvaro-Dias-e-Dácio-Galvão_F_Alex-Régis

PIX: 007.486.114-04

Colabore com o jornalismo independente

Se depender da classe artística a Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte)passará incólume das indicações políticas – ou politiqueiras – da Prefeitura de Natal.

A promessa do prefeito Álvaro Dias de nomeações técnicas para a sua gestão foi desviada já nas primeiras contratações. Afora os nomes assegurados pela cota dada ao presidente do órgão, Dácio Galvão, foi contratada a produtora Gorette de Oliveira para o cargo do renomado artista visual Roberto Medeiros como chefe do núcleo de artes plásticas.

Gorette é a diretora presidente da Sociedade dos Amigos do Beco da Lama e Adjacências. Exerce a função com dedicação, competência e liderança no cenário do Centro Histórico de Natal. Uma indicação política relevante, mas sem competência técnica ao referido cargo e que poderia ser bem aproveitada em um posto a ser criado para políticas voltadas ao Centro Histórico e Ribeira.

Também hoje foi publicado no Diário Oficial de Natal a contratação do empresário Ridalvo Felipe, notório apoiador político do prefeito para a gerência de Patrimônio Imaterial e Arte Urbana. Neste texto AQUI, tínhamos sugerido a volta de Miguel Carcará para o cargo, este sim, do ramo, desta pasta tão bem apoiada pelo prefeito e por Dácio Galvão nos últimos anos.

Yanna Medeiros e Kelly Braz

Por outro lado, o dançarino Dimas Carlos retomou a chefia do Núcleo de Dança. Mas é pouco. A classe artística tem reivindicado não só quadros técnicos, mas a priori dois nomes de suma importância para o caminhar da Funcarte: Yanna Medeiros e Kelly Braz.

Yanna é dos nomes mais técnicos e competentes não só do quadro funcional da Funcarte, mas do Estado. Tem bagagem e vinha levando com maestria a assessoria técnica para projetos, programas e eventos culturais, além de ótimo relacionamento e articulação junto aos artistas – fator de suma importância!

Kelly é secretária executiva do Programa Djalma Maranhão, a lei municipal de incentivo à cultura responsável por boa parte dos projetos viabilizados pela Prefeitura ao longo do ano e que encontra-se parado em um momento crucial para o andamento desses projetos.

Artistas pedem permanência de Kelly e Yanna

Um abaixo assinado pedindo a permanência de Kelly Braz ganhou mais de 100 assinaturas em questão de minutos e será encaminhado ao prefeito nos próximos dias, com cópia entregue a Dácio Galvão.

Um outro será redigido com o mesmo propósito para solicitar a volta de Yanna Medeiros ao Departamento de Projetos, Programas e Eventos Culturais, também já com aceitação imediata do cenário local.

Urgência da renúncia fiscal e da Lei Djalma Maranhão

A questão urgente do andamento da lei municipal de cultura foi levantada durante reunião na manhã de hoje na Unimed, principal empresa apoiadora da cultura no âmbito da capital.

Na ocasião foi reclamada a urgência da renúncia fiscal por parte da Prefeitura para que novos projetos possam ser captados nos próximos meses via ISS. E ainda a necessidade da emissão do certificado de incentivo, no caso, emitido pela secretaria então comandada por Kelly.

“A lei está parada. Ninguém consegue fazer nada. Inclusive corremos o risco de perdermos o patrocínio da Unimed porque precisamos desse certificado. É importante não só o funcionamento da secretaria da lei, mas a permanência de Kelly, que tem se dedicado com empenho e imparcialidade na Lei Djalma Maranhão”, pontuou a produtora Mônica MacDowell.

Patrocínio via IPTU já se perdeu

Importante lembrar que no início do ano foi tentada mobilização com apoio de alguns vereadores da Câmara de Natal para agilizar a renúncia fiscal e aproveitar o pagamento dos IPTUs, mas sem sucesso.

Sem tempo hábil para aprovar a renúncia durante o recesso parlamentar, foi então sugerido a Álvaro Dias a publicação de decreto autorizando as empresas já comprometidas e com projetos culturais assinados com patrocínio via IPTU, assinar a renúncia.

Mas, não houve qualquer interesse do prefeito no tema. E com o prazo de pagamento de IPTU expirado no último dia 11 de janeiro, esses patrocínios por meio desse imposto foram perdidos.

Diante do quatro, muitos funcionários da Funcarte permanecem na esperança de retorno às funções e de uma reunião do presidente Dácio Galvão com o prefeito para novas recontratações.


FOTO: Alex Régis

 

Sérgio Vilar

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

WhatsApp
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn

2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *