grande-ponto

O que foi o cantão Grande Ponto?

1 de março de 2021Memória do RN, , Image

Sou natalense do Tirol, nascido em 1953.

Olhos para o mundo e para o centro de Natal, tenho-os em memória já a partir de 1957/58 e lembro passagens da tenra infância nem sempre nítidas nem sempre completas do lugar.

Apesar de ser o centro nervoso e comercial de Natal, cresci tendo o Grande Ponto como o lugar mais citado em notícias de jornais, rádios, depois TVs, conversas, e; nunca soube de fato o porquê daquele topônimo.

Para mim, Grande Ponto era porque se tratava do lugar mais importante da cidade e pronto. Jamais me passou pela cabeça saber a razão real da denominação do lugar.

Só pelos anos 2000, vim a saber desse porquê.

Era por conta do nome do estabelecimento comercial da esquina da Avenida Visconde do Rio Branco com a Rua João Pessoa: Café Grande Ponto.

E só Cascudo para me fazer saber disso. Afinal, cresci ouvindo a máxima de que se alguém queria saber sobre algo, bastava perguntar ao mestre da Junqueira Ayres.

Não deu outra: instigado a escrever sobre este cantão, lá estava Cascudo a nos dizer sobre a razão de ser do topônimo. E com qual elegância de estilo, com qual riqueza de informações e prazer na leitura ele nos ensinava sobre o lugar!

Por Luís da Câmara Cascudo

O Grande Ponto tem uma história bem diversa da que suponhamos existir. É, incontestavelmente, a situação geográfica mais popular da cidade. Localiza, fixa, delimita.

Todo natalense conhece o Grande Ponto. Nada recorda o nome. Entretanto, é inegável para toda população – “Você se encontra comigo no Grande Ponto”, “Vamos chegar no Grande Ponto”. Contudo, o que era denominado de Grande Ponto desapareceu há mais de meio século.

Era uma casa comercial, de duas portas para a Rio Branco e três para a Pedro Soares, que, depois de 30, tomou o nome de João Pessoa. Essa mercearia era de propriedade do português Custódio de Almeida, mercearia afreguesada, com algumas mesas para se tomar cerveja; no salão ao lado, dois bilhares utilizados pelos devotos dos divertimentos.

Não era o lugar freqüentado por meu grupo, que, nessa época, década de 20/30, preferia o Bar Majestique, antes chamado de Potiguarânia, o grande bar da minha geração, situado na rua Ulisses Caldas, e freqüentado por jornalistas, professores, literatos. Também freqüentamos o Bar Delícia, na Praça Augusto Severo. Estes eram os dois pontos mais freqüentados em Natal, na época. A minha geração toda passou por lá: Othoniel Meneses, Jorge Fernandes, etc.; era o bar – o Majestique – da bebida, da classe média, da intelectualidade.

Leia também As horas mortas do Grande Ponto

O Grande Ponto, ao contrário, era um lugar de passagem, uma fixação puramente topográfica. Era, na geografia da cidade, ponto fixo. Grande Ponto foi denominação daquela esquina e aquela esquina se tornou imóvel e catalisadora nas memórias.

Havia, porém, uma outra esquina – para quem estuda trânsito, a posição das esquinas tem uma grande função delimitadora de bairro e fixadora de local – a qual Djalma Maranhão denominou-a de “esquina do mundo”, a esquina da Tavares de Lira com a rua Dr. Barata. Ele a chamou de “esquina do mundo”, pois era a Ribeira o bairro socialmente mais conhecido, e a esquina o ponto, além de um dos mais conhecidos também, o de mais fácil indicação. Dizia-se: “Você se encontra comigo na esquina do mundo.” Era a esquina da Tavares de Lyra.

Quanto ao Grande Ponto, eu, muito acidentalmente, passava por lá; e quando isto ocorria, bebia-se cerveja assistindo ao jogo de bilhar – aí por volta de 23, 24, 25. O português Custódio de Almeida, dono da mercearia e casado com uma filha do Capitão, mais tarde Coronel Toscano de Brito, era exatamente relacionado, simpático, grande conservador, conversava muito, sempre vestido de branco, baixo, grosso; depois de 30, mudou-se para o Recife, onde abriu uma mercearia diante do mercado São José.

Mas o nome Grande Ponto permanecia na fachada de seu edifício, que dava para a Rio Branco. E era também um grande ponto. Por ali cruzavam-se os bondes elétricos. Pela rua Pedro Soares, então João Pessoa, vinham os bondes de Tirol e Petrópolis. Pela Rio Branco, chegavam os da Ribeira e Alecrim. Cruzavam-se todos no Grande Ponto. Era o ponto de encontro.

Depois de 30, ficou famoso pelos políticos, partidários, eleitorado, que se reuniam no Grande Ponto. Era o chamariz. Os comunistas tentaram pôr o nome de Praça Vermelha, em 35. Djalma Maranhão chegou a chamar-lhe Praça da Imprensa. Mas o povo defendeu sua preferência, que era Grande Ponto. E o Grande Ponto marcava a situação topográfica da cidade.

Todo mundo sabia as tabelas de táxis e o pagamento de bonde da Ribeira ao Grande Ponto, do Alecrim ao Grande Ponto, de Petrópolis ao Grande Ponto, do Tirol ao Grande Ponto. Não tinha outra localização. Não se falava na casa de Ângelo Roselli, onde está, hoje, o Hotel Ducal, que era um palacete, habitado por um parente dele, deputado e um dos primeiros advogados da cidade.

Também existia, nessa época, o Natal Clube, maior centro social da cidade, situado na outra esquina. À tarde e à noite, jogo de pôquer, copas. Porém o nome que de fato subsistia era o da mercearia de Custódio de Almeida, o Grande Ponto, que ficou.

Grande Ponto. Há 50 anos não se escutava a sua história. Mas o próprio Aldo Pereira aludia à situação topográfica dizendo, “Grande Ponto”, e não existe, em Natal, topônimo mais conhecido que ele, mesmo nas gerações posteriores, e que não alcançaram aquele edifício de Custódio de Almeida – cujo caixeiro, Amaro Mesquita, trouxe outro episódio emocional: caixeirinho moreno, pobre, humilde, varrendo a calçada, parava o movimento da vassoura e dizia: “Nesse lugar vai ser o meu sobrado” ou “eu farei aqui o meu sobrado”. E fez. Construiu um edifício de vários andares, botando abaixo a mercearia da esquina na época, o maior sobrado de Natal, e que ainda hoje está aí. O caixeirinho Amaro Mesquita chegou a ser um grande comerciante de Natal. Mesmo o sobrado, ninguém dizia: “Você se encontra comigo em Amaro Mesquita”.

Os cafés, os bares já existiam na rua João Pessoa. Também ninguém se referia a eles. Só se falava: “Você se encontra comigo no Grande Ponto”. E o Grande Ponto não existia mais. Contudo, era uma presença e continuação. Este é o meu depoimento.


Natal, 11 de junho de 1981

In Grande Ponto – Antologia do Laboratório de Criatividade/UFRN – 1981

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *