POETA DA SEMANA: Allan Araújo

Natural de Natal e erradicado na Paraíba, Allan Araújo tem como ofício a publicidade e a produção cultural. A poesia é sua ocupação pra alma e pro ego. É um “poeta etílico”, daqueles que tomam coragem após uns goles para recitar sua poesia, já que costuma guardar seus escritos como propriedade privada, sem nunca pensar em eternizá-los em livros ou outras plataformas. “Ser poeta sóbrio tem que ser poeta de ofício, poeta profissional, então sou mesmo um poeta amador e amando, e isso é o que importa”.

Allan Araújo é nosso POETA DA SEMANA:

—————

ACRÔNICO

Aqui vamos ao mar
Dias de luta encantada!
Desmembre o desafeto
No coração amargurado
Como um dia de mar,
em ondas desassisadas.

O tempo é quente
pra ser aproveitado,
em uma louca paixão.
Que é apenas desejo,
E que voa, voa longe
Se tornando diversão.

—————

FUGITIVOS

Ela entrou, a minha menina,
Chegou feliz feito um pássaro
Em uma mão uma flor que brilha,
Na boca uma música de rádio

Esta noite é a único do mundo
Cuja resposta ferirá nossos corações.
Onde de tão profunda angústia
pretendo em claros amanhecer!

Mas não – Minha juventude, não mais.
Adeus meu amor, feixe o doce que te dei.
Perfume-se, você menina, sempre em harmonia.
Felicidade se foi, passou – E dela eu fugi!

—————

ANDALUZ

Teus olhos , junção de eclipse lunar,
Com fragmentos estelar.
Luz incandescente, de brilho reluzente
a me incendiar.

Eu, solitário, solidário com resquícios
de uma ilusão.
Sobrevivo contemplando-te diante
da imensidão.

Balsamo raro, cura eu, cura você
Livrando-nos de nos perder.

Vida e cruz, caminho de luz.
Reluz andaluz!

—————

SE E SÊ

Se não puderes ser coqueiro,
Na beira da duna,
Sê uma carnaúba no vale, mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo,
Se faça um pouco de relva,
Então dê alegria a mais triste estrada.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas um miúdo atalho,
Se não puderes ser um sol,
Sê uma estrela num coração.

Não é pelo tamanho que,
Se mostrará êxito ou fracasso.
Sê tente melhor no que quer se sejas.

About The Author: Sérgio Vilar

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *