PERFIS LITERÁRIOS: Wescley J. Gama

Natural de São Vicente (RN), Wescley J. Gama reside há muitos anos na cidade de Currais Novos. Escritor e poeta, faz parte da geração que traz nos versos uma tradição literária seridoense que vem desde Zila Mamede e José Bezerra Gomes, passando por Luís Carlos Guimarães, Nei Leandro de Castro, Moacy Cirne, Nivaldete Ferreira, Humberto Hermenegildo, e mais recentemente Iara Maria Carvalho, Luma Carvalho, Ana de Santana, Maria Maria Gomes, Theo Alves, Jeanne Araújo, Muyrakitan Kennedy Macedo, Valdenides Cabral, dentre outros valores.

Vencedor de vários concursos literários neste início de novo milênio, Wescley J Gama é um dos administradores do Grupo Casarão de Poesia, ONG cultural que incentiva a leitura, a literatura e a música entre os jovens seridoenses.

Músico, compositor e militante cultural, além de escritor e poeta Wescley gravou três Cds, “Chuva, Estiagem, Água, Lampiões”. “Seridolendas”, e “Campos Grandes Reunidos” e publicou dois livros: “Com a Força das Folhas que Estiverem Vivas” (poesia) e, mais recentemente, “Nove Contos Serranos” (Editora OffSet, 2017).

De um artigo, que tivemos oportunidade de escrever sobre um livro de sua autoria, destacamos o seguinte trecho:

“Para o escritor Wescley J. Gama, em seu novo livro, ‘Com a Força das Folhas que Estiverem Vivas’, a poesia está diretamente relacionada ao seu chão de origem.

burros com carga d´água
passam sede no caminho seco

O local da sua vivência, fonte inesgotável de poemas, o Seridó, é cantado em versos: as lembranças dos dramas da seca, que agoniam periodicamente a região; o fruto, a água, o homem, os bichos, são intermináveis matérias para a poesia de Wescley. A partir de alguns dos seus poemas, conseguimos penetrar nas paisagens do interior do Estado, numa parte da sua história, com seus tipos humanos.

A poesia de Wescley cumpre a sua missão, que é representar fatos, coisas e pessoas de forma artística, servindo como registro de uma realidade, captando com sensibilidade a paisagem seridoense…”

Em sua estreia na ficção, o desempenho do autor não é diferente. A ideia de sertão é construída discursivamente ao longo das narrativas de Wescley, e todo esse pequeno/grande mundo ressurge em uma prosa intensamente poética, afirmando, sem dúvida, uma das principais referências literárias da cultura seridoense contemporânea.

About The Author: Thiago Gonzaga

Thiago Gonzaga

Pesquisador da literatura potiguar e um amante dos livros.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *