A pena poética de Maria Maria no romance ‘Na Sétima Curva do Sol’


Só quem sobe a Serra do Doutor, rasgando a BR 226 até chegar à cabeceira da Chapada da Borborema, deixando para trás os serrotes agresteiros no horizonte, consegue ver a tradição literária que há em Currais Novos, uma cidade cercada pelo mato ralo da caatinga e dos facheiros, onde começa o sertão.

Naquela terra, onde é possível ouvir dos velhos vaqueiros o aboio, há uma gama de poetas e romancistas conhecidos pela qualidade da literatura cultivada nesse chão.

É nesse cenário árido seridoense que a escritora currais-novense Maria Gomes, ou Maria Maria como gosta de assinar seus escritos, ambienta seu romance “Na Sétima Curva do Sol”, lançado no final do ano passado pela 8 Editora, de Natal.

Posso afirmar sem medo de errar que esse romance de Maria Maria é o livro mais importante da Literatura Currais-novense desde o clássico “Os Brutos”, do cultuado escritor José Bezerra Gomes.

A obra tem todo tempero de uma narrativa madura com personagens redondos, literatura fantástica, cenários sertanejos descritos poeticamente e um importante resgate social com a descrição de antigos costumes de um povo cigano que permeia o sertão nordestino.

Como todo bom romance de cavalaria, o herói é o cigano Talismã, do grupo Calon que se estabeleceu na Ribeira do Seridó; é o protagonista que adentra o sertão vivendo aventuras, numa jornada fantástica procurando sua irmã Sara, levada por um fazendeiro rico para a região central do Brasil. O cigano faz uma viagem montado a cavalo de Currais à Goiás num percurso cheio de aventura e desventuras.

O romance é desses livros que o bom leitor ler de uma vez só, como se estivesse saboreando um cacho de pitombas doce.

Da paisagem sertaneja e seu mato miúdo, a caatinga permeia boa parte do livro. Em Currais, a vegetação é magra e o vento que foge das encostas das serras já não carrega a frescura que abranda o calor do telhado do conforto da casa que o cigano Talismã deixou pra trás. Numa intrépida passagem numa vereda de viajante, o protagonista encontra um cangaceiro solitário chamado Julian, que passa a viajar ao seu lado, vivenciando aventuras contadas por uma autora oniciente e onipresente que, por vezes, interfere na narrativa para dar explicações ao leitor, como se houvesse necessidade.

Em determinado momento, o cigano e o pistoleiro encontram uma moça chamada Maria Rosa, “que cuidava dos dois andantes com excessiva dose de carinho”, descreve a autora já anunciando um romance entre os três.

Apesar de toda prosa poética que permeia o livro, a narrativa de Maria Maria fica devendo os pormenores na hora do “menage a trois”, descrevendo pifiamente uma cena que deveria ser picante, cheia de libertinagens entre os três personagens que transam na beira do açude. A autora se acanhou na hora de se debruçar na narrativa erótica.

Maria Maria começou a escrever poemas ainda na pré-adolescência, a partir das leituras de textos literários em livros didáticos. Hoje, com 11 livros publicados (entre poesias e romances) e participações em 3 antologias, incluindo o E-book ‘Cartas para Zila Mamede’, editado pela EDUFRN. Além de ter escrito artigos e poemas nas revistas Papangu de Mossoró e Fatos & Feitos, de Natal, Maria Maria se credencia para ser citada em qualquer antologia literária que se faça sobre a Literatura Norte-riograndense.

O romance ‘Na Sétima Curva do Sol’ narrando as aventuras quixotescas do cigano Talismã e seu fiel escudeiro, o pistoleiro Julian, está sendo vendido em Natal e Currais Novos.

A autora Maria Maria trabalha freneticamente com aproximadamente seis livros para edição. Atualmente, se dedica na compilação e organização de um livro de contos eróticos chamado “Borboletas no quarto”, em parceria com o escritor potiguar/carioca Nei Leandro de Castro.

Enquanto isso, o leitor pode se deliciar com esse romance que enaltece a Literatura currais-novense, dando mais qualidade à Literatura Potiguar.

SERVIÇO
Romance “Na Sétima Curva do Sol”
Local de venda: Ótica Gracinha (Currais Novos) e Livraria Nobel (Natal)
Site www.caatingueirices.webnode.com
Ou pelo WhatsApp: 9 9702 2052
Preço: R$ 25

FOTOS: JOSÉ MARK PEREIRA

alex gurgel

Fotógrafo e viajante

CONFIRA TAMBÉM

2 Comentários

  • Maria Maria Gomes
    2 de fevereiro de 2017 at 11:28

    Alex, muito grata, “esse menino”, por escrever uma resenha tão bem acentuada, colocada nos devidos lugares das boas e sinceras expressões.Parabéns pelo texto!

    Um abraço,

  • Ruben G Nunes
    Ruben G Nunes
    16 de fevereiro de 2017 at 17:52

    Alex-velho vi agora teu texto sobre Maria Maria. Porreta velho!
    Tanto teu texto quanto o belo romance de Maria Maria. Uma boa trama que me fez lembrar meus antepassados romah.
    A Literatura Potiguar tá amadurecendo!
    Precisa é acabar com os guetos e fragmentações.
    Se é, naturalmente, uma colcha de retalhos – que seja!
    Mas que seja uma colcha produzida por toda a escribalhada – juntos!
    Na força da união!
    Abração
    Ruben G Nunes

COMENTE

Receba nossas melhores notícias por e-mail

FACEBOOK

Instagram

Espetáculo Gonzagando, pela Companhia de Dança da TAM, dirigido por Wabie Rose, no Arraia da Meninada, Cidade da Criança. Belíssimo! #culturapotiguar
Com o magro Tacito Costa para prestigiar o show de Sami Tarik no @bardallos. Começa às 21h. Só chegar. #musicapotiguar
Se você acha shows instrumentais tediosos eis o cara para desmistificar esse conceito. @sergiogroove não é só um gênio do contrabaixo, ele traz ao palco carisma, versatilidade para agradar gregos, troianos e atenienses, e o mais importante: divertimento. Ele diverte a plateia, seja com seu baixo, com seus joguetes vocais ou sua performance. E adivinha? Ele estará neste domingo no #somdamata acompanhado de uma seleção de músicos. Imperdível! #culturapotiguar #culturadorn #musicapotiguar
Em breve as estampas mais iradas do mercado, em camisas de excelente qualidade e o menor preço. Quer mais? Pois tem. Frete grátis para Natal! Sigam @cretivecamiseta e fiquem por dentro das novidades. #camisetasestampadas #culturapop #estampascriativas
Mirabô passando o som com o luxuoso acompanhamento de Rose Flor Caete. Início dos shows em instantes na Pinacoteca. Sami Tarik abre os trabalhos. Primeira edição do Mostra de Música Sete e Meia! #musicapotiguar
Fabio Rocha, vulgo @zecaxanga, é nosso Forrest Gump da música potiguar. E ele vai reunir oito bandas num festival no Ateliê Bar, próximo sábado. Baile imperdível e por isso tem textinho no nosso Papo Cultura sobre o evento e sobre os 18 anos de labuta desse cara. Merece! #musicapotiguar