Metade de mim é um istmo


por Marcius Cortez

Sou habitado por uma consciência paralela que desenvolvi em minhas andanças por Natal, Recife e São Paulo. Sua forma geométrica é de um diagrama composto por três metades. Metade nordeste, metade solidamente paulista e um grande continente formado por um istmo machadiano de natureza deveras cética.

Natal e Recife me deram a base enquanto São Paulo me ensinou a ganhar e a me superar. Quanto ao istmo machadiano, ele significa minha disposição para sobreviver na corda bamba de que o jogo sou eu comigo mesmo, eu e meus botões metafísicos, minha gula pelo conhecimento, minha total flexibilidade para seguir na certeza de que a única coisa definitiva é o fim e o nada.

A massa do meu alicerce é a minha vida interior, meu playground do prazer da fruição estética e da transparência sentimental. Devo dizer que há um fato novo. Já não vejo nenhum país perto de mim. As árvores do Brasil secaram e a nação segue mais à deriva do que o Titanic ao sabor do oceano gelado pleno de desastres letais vindos d’além mar.

O que faço? Procuro a sombra de uma mangueira frondosa para me sentar debaixo dela e deixar que a desconfiança me guie. Qual a vantagem que levo? Ora, eu me distraio. Tenho tirado o meu sarro da canalhice pútrida do momento que vivemos. Afino meu canivete satírico e gargalho para a monstruosidade da manipulação e para o retrocesso medieval conduzido por psicopatas. Venho aperfeiçoando uma técnica sofisticada que consiste em ignorar o que dizem os charlatães do oportunismo.

Contudo, não perdi a esperança nem joguei no lixo meu sonho de transformação. Apenas estou mais consciente de que o povo está longe de dar o seu salto de qualidade. Às vezes me animo quando vejo a massa ocupando as ruas, mas isso logo se esvai e some por causa da brutalidade da violência diária contra a liberdade de pensar e de se manifestar. Deve ser porque já não tenho a coragem de antes. Deve ser medo de não suportar e cometer um ato terrorista.

Meu caro leitor, está difícil expurgar o ódio. Juro, não quero estar vivo quando o mundo se submeter a irracionalidade do capitalismo selvagem e a cegueira dos fanáticos fundamentalistas. Pretendo pular fora antes que eles apertem o tal botão.

A verdade é que não me queixo porque não adianta. Mas também não deixo barato. Vivo intensamente a porta de emergência que me abastece de novas canções, de flores do bem, de mensagens libertárias, de amor, sol e loucura.

Tags:
marcius cortez

Cinco livros publicados e o jogo ainda não acabou. Escrever é um embate que resulta em vitórias, derrotas e empates. O primeiro livro de Borges vendeu apenas 37 exemplares. O gol é quando encontramos um significado que melhore a realidade.

CONFIRA TAMBÉM

COMENTE

Receba nossas melhores notícias por e-mail

FACEBOOK

Instagram

Espetáculo Gonzagando, pela Companhia de Dança da TAM, dirigido por Wabie Rose, no Arraia da Meninada, Cidade da Criança. Belíssimo! #culturapotiguar
Com o magro Tacito Costa para prestigiar o show de Sami Tarik no @bardallos. Começa às 21h. Só chegar. #musicapotiguar
Se você acha shows instrumentais tediosos eis o cara para desmistificar esse conceito. @sergiogroove não é só um gênio do contrabaixo, ele traz ao palco carisma, versatilidade para agradar gregos, troianos e atenienses, e o mais importante: divertimento. Ele diverte a plateia, seja com seu baixo, com seus joguetes vocais ou sua performance. E adivinha? Ele estará neste domingo no #somdamata acompanhado de uma seleção de músicos. Imperdível! #culturapotiguar #culturadorn #musicapotiguar
Em breve as estampas mais iradas do mercado, em camisas de excelente qualidade e o menor preço. Quer mais? Pois tem. Frete grátis para Natal! Sigam @cretivecamiseta e fiquem por dentro das novidades. #camisetasestampadas #culturapop #estampascriativas
Mirabô passando o som com o luxuoso acompanhamento de Rose Flor Caete. Início dos shows em instantes na Pinacoteca. Sami Tarik abre os trabalhos. Primeira edição do Mostra de Música Sete e Meia! #musicapotiguar
Fabio Rocha, vulgo @zecaxanga, é nosso Forrest Gump da música potiguar. E ele vai reunir oito bandas num festival no Ateliê Bar, próximo sábado. Baile imperdível e por isso tem textinho no nosso Papo Cultura sobre o evento e sobre os 18 anos de labuta desse cara. Merece! #musicapotiguar