De ‘Negra Onawale’ de Drika Duarte e a presença do negro na literatura potiguar


Um canto de liberdade que permanece vivo: Negra Onawale, de Drika Duarte

Eu tenho um sonho.
O sonho de ver meus filhos julgados por sua personalidade,
não pela cor de sua pele.
Martin Luther King

por Chumbo Pinheiro

A comemoração, ou melhor, a celebração do dia da consciência negra é uma conquista dos movimentos e organizações afro-brasileiras que vai muito além do ato histórico e simbólico da assinatura da Lei Áurea e suas precedentes promulgadas pela monarquia vigente no Brasil, para atender aos interesses econômicos e as pressões dos ingleses, que no final do século XIX desejavam ampliar o seu mercado e impor o desenvolvimento ou o fortalecimento do capitalismo.

É uma comemoração que, põe em evidência a trajetória histórica dos negros, desde as dores sofridas nos porões dos navios, passa pelas torturas e fugas para as matas brasileiras de milhares de negras e negros, que ansiavam e lutavam pela liberdade. É a celebração da resistência, da vida e da esperança. É a luta contra o chicote, que fez o sangue escorrer pelas costas e abrir fendas, cujas cicatrizes não ficaram marcadas apenas na pele, porém, marcam até hoje as nossas memórias.

Surge, pois, desta pele e desta memória o canto, a poesia militante de Castro Alves, e com ele outros tantos poetas que ainda expõem com a força de suas paixões, de seu amor à humanidade a desgraça que foi infligida a uma grande parte desta mesma humanidade, pelo simples fato de ser negra.

A poesia traz um canto, um lamento, contudo, também, um grito de denúncia da escravidão, da desumanidade, cometida contra a população negra e branca pobre. Um grito contra o preconceito e a discriminação, que hoje são reminiscências e heranças que chicoteiam e açoitam pessoas negras ou que amam a cultura do povo.

A obra da poeta norte-rio-grandense, Drika Duarte, ‘Negra Onawale’ (2014), é um destes gritos que denuncia. “Hoje tudo é mais sutil/.É uma vaga de emprego perdida/ uma dívida social não resolvida/ camuflada e ridicularizada. Até que alguém extrapola/ tira de dentro e bota para fora/ o preconceito guardado/ e chama o negro de macaco/ ou manda voltar para senzala a atendente de caixa.”

‘Negra Onawale’ penetra na questão social e canta, sem perder o lirismo de seu livro anterior ’70 vezes 7′: “Quando o céu sorri para os desgraçados/ versejo lirismo/anuncio prados…”. Canta Aruanda solo sagrado, santas e santos no solo de Aruanda e convida-nos não sem antes lembrar que: “Quem não conhece o segredo/ A mironga do velho preto/ no jardim de Aruanda não entra não.”. Pois foi da luta e das dores que ainda hoje permanecem que se teve a “Liberdade conquistada/ mas para o negro não havia lugar… E ainda hoje se vê/ o preconceito estagnado…”.

Como frisa bem o pesquisador de literatura potiguar, Thiago Gonzaga, em prefácio ao livro, “A literatura brasileira, inclusive a potiguar, praticamente desconhece o negro como elemento determinante. Não é de admirar tão pouca importância dada ao tema ao longo dos anos; só nas últimas décadas tem surgido um maior interesse pelo estudo, pesquisa e divulgação da temática.

E, ainda afirma Gonzaga, “Contrapondo-se à falta de tradição, pelo menos em solo potiguar, a poeta Drika Duarte, apresenta uma obra, em que procura valorizar, resgatar valores, culturas e tradições afros. Desta forma, seu livro representa uma importante contribuição para divulgação e fortalecimento da cultura afro…”.

O trabalho poético de Drika Duarte vem através dos seus versos, colaborar com a luta pela quebra destes preconceitos, através de suas poesias e canções, tocando qualquer ser humano sensível à causa.

‘Negra Onawale’ é leitura obrigatória, que merece ser lida e relida, sempre.

chumbo pinheiro

Chumbo Pinheiro, pseudônimo de Luís Pereira da Silva, é poeta e articulista. Autor de "A Tua Mão" (poesia); e "Nei Leandro de Castro – 50 Anos de Atividades Literárias" (ensaio, como co-autor).

CONFIRA TAMBÉM

COMENTE

Receba nossas melhores notícias por e-mail

FACEBOOK

Instagram

Com o magro Tacito Costa para prestigiar o show de Sami Tarik no @bardallos. Começa às 21h. Só chegar. #musicapotiguar
Se você acha shows instrumentais tediosos eis o cara para desmistificar esse conceito. @sergiogroove não é só um gênio do contrabaixo, ele traz ao palco carisma, versatilidade para agradar gregos, troianos e atenienses, e o mais importante: divertimento. Ele diverte a plateia, seja com seu baixo, com seus joguetes vocais ou sua performance. E adivinha? Ele estará neste domingo no #somdamata acompanhado de uma seleção de músicos. Imperdível! #culturapotiguar #culturadorn #musicapotiguar
Em breve as estampas mais iradas do mercado, em camisas de excelente qualidade e o menor preço. Quer mais? Pois tem. Frete grátis para Natal! Sigam @cretivecamiseta e fiquem por dentro das novidades. #camisetasestampadas #culturapop #estampascriativas
Mirabô passando o som com o luxuoso acompanhamento de Rose Flor Caete. Início dos shows em instantes na Pinacoteca. Sami Tarik abre os trabalhos. Primeira edição do Mostra de Música Sete e Meia! #musicapotiguar
Fabio Rocha, vulgo @zecaxanga, é nosso Forrest Gump da música potiguar. E ele vai reunir oito bandas num festival no Ateliê Bar, próximo sábado. Baile imperdível e por isso tem textinho no nosso Papo Cultura sobre o evento e sobre os 18 anos de labuta desse cara. Merece! #musicapotiguar
Não fosse aquela mão me segurando e os conselhos e ensinamentos pra vida, hoje eu andaria por ai com capa preta, máscara e combatendo o crime em Natal City. Obrigado por me salvar do Robin, mamãe!