Discos que Mudaram Minha Vida: Imagine, de John Lennon

Discos que mudaram minha vida #1

Lançado depois do confessional e fantástico “Plastic Ono Band” de 1970, o segundo álbum de John Lennon foi seu primeiro grande êxito comercial após a dissolução dos Beatles. Reconhecido, em parte, pelo retumbante sucesso da faixa título, este disco é frequentemente associado à visão idealista de Lennon como o “príncipe da paz” da música mundial.

Mas ao imaginar um mundo “sem propriedades” e “sem religiões”, John também cutucava as bases da sociedade ocidental. Mais tarde, ele afirmaria: “Ela é tão contundente quanto o Manifesto Comunista, mas como é açucarada, é aceita”.

Trabalhando com músicos como o pianista Nicky Hopkins, o baterista Alan White, o baixista Klaus Voormann, a banda Badfinger e George Harrison, Lennon ampliou seus horizontes sonoros e líricos ao mesmo tempo em que enfrentava seus fantasmas pessoais.

O disco também é marcado pela diversidade de temas. Tristeza, impotência, ciúmes, desamor, raiva e vingança. O desespero de um artista vivendo a perturbadora realidade da “Era Nixon”.

O Lennon político aparece pleno nestas canções. Da paulada na hipocrisia capitalista de “Give Me Some Truth” e “Crippled Inside” à crítica direta à carnificina do Vietnã de “I Don’t Wanna Be A Soldier”. O ressentimento também dá as caras na cruel “How Do You Sleep” endereçada ao (agora) rival Paul McCartney.

Seu lado frágil e romântico está presente na linda e imortal balada “Jealous Guy”, na lírica “Oh My Love”, na pungente “How” e no suave country de “Oh Yoko”.

Longe de ser o “tratado de paz” imaginado por muitos, o álbum é um emocional caleidoscópico dos contraditórios sentimentos de Lennon.

Sua breve carreira individual ainda teria belos álbuns, mas “Imagine” segue arrebatando gerações 47 anos após seu lançamento. Sem dúvida, este é o melhor retrato da cristalização de suas ideias.

Um dia, o mestre Stevie Wonder falou que o mundo se tornou um lugar bem mais triste sem John Lennon. Ao ouvir este álbum do início ao fim, a percepção do gênio se transforma numa sentença universal.

Sing again…Johnny…

About The Author: Giancarlo Vieira

Giancarlo Vieira

Professor, músico, ex vocalista dos Grogs, atual vocal do Cangalha Blues e do Trio Rock. Um eterno garoto amante dos Beatles e dos Rolling Stones.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *