PAPO RETO com Davi Arrigucci Jr.


O escritor paulista e crítico literário Davi Arrigucci Jr. é uma espécie de representante da crítica literária pós-Antônio Cândido. É um dos grandes na seara, com vários ensaios e livros publicados sobre figuras icônicas, como Drummond, Bandeira e Murilo Mendes. E se tece críticas, também dá a cara a tapa. Mas, creio, nunca lhe jogaram pedras. Pelo contrário, foi agraciado com o Prêmio Jabuti pelo livro de ensaios ‘Achados e Perdidos’, de 1979, entre outras premiações. O cara esteve por aqui poucos anos atrás e encontrei essa entrevista com ele. Permanece atual.

1. Quais consequências da ausência crescente da crítica literária no meio impresso?

É um problema seríssimo. Não há mais resenha crítica. Vemos textos a partir de indicações editoriais ou movidos por ações cujo critério não é a qualidade literária – essencial à crítica. Sabe aquele sujeito que publica livro na Veja e quer aparecer, tipo Mário Sabino? As resenhas tratam desse tipo de literatura. É o que tem acontecido.

2. E qual o prejuízo desse desvirtuamento da essência crítica?

Em Minas Gerais, por exemplo, há uma poeta soberba chamada Ana Martins Marques. Ela lançou livro sem qualquer repercussão na mídia. E assim há vários casos. Acho que a imprensa precisa ser reinventada na internet.

3. Na internet a crítica consistente não se dilui em meio a tanta opinião infundada?

É mais difícil se formar um crítico do que um poeta, claro. Basta olhar para a história. Até surgir um Antônio Cândido muita água rolou. É difícil ser crítico, mas é indispensável sua existência.

4. Em que contexto a literatura encontra terreno fértil para crescer? No Rio Grande do Norte, por exemplo, a crítica literária é incipiente.

Um meio complexo onde haja debate de valores. Esse foi papel do modernismo. Há, inclusive, esse debate entre Cascudo e Mário de Andrade. Mário insistia em um ponto essencial: ele era contra exotismos locais no país. O importante no modernismo foi incorporar a visão geral de país, sem localismos com essa dimensão mais abrangente. O importante não é a literatura potiguar; o importante é incorporar esse movimento modernista. E o potiguar é tão brasileiro quanto qualquer sulista ou nortista.

5. A ausência da crítica levou consigo a queda de qualidade na literatura brasileira?

A literatura de um modo geral caiu muito. Não sei se pela ausência de crítica. Há muitas razões históricas e exteriores. A literatura deixou de ter um posicionamento central no século 19, e no século 20 nunca teve. O modernismo começou nas artes plásticas e chegou à literatura; se desenvolveu sempre como um artigo integrado. Hoje já não tem mais referência. Nossa experiência hoje é muito fragmentada. Muitos conhecimentos estão em outras ciências. E isso dificulta. O romance é muito dependente de um ponto de vista social e histórico; da experiência individual do mundo. Hoje temos dificuldade em dominar tudo e isso dificulta a perspectiva do romance.

sergiovilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

CONFIRA TAMBÉM

COMENTE

Receba nossas melhores notícias por e-mail

FACEBOOK

Instagram

Espetáculo Gonzagando, pela Companhia de Dança da TAM, dirigido por Wabie Rose, no Arraia da Meninada, Cidade da Criança. Belíssimo! #culturapotiguar
Com o magro Tacito Costa para prestigiar o show de Sami Tarik no @bardallos. Começa às 21h. Só chegar. #musicapotiguar
Se você acha shows instrumentais tediosos eis o cara para desmistificar esse conceito. @sergiogroove não é só um gênio do contrabaixo, ele traz ao palco carisma, versatilidade para agradar gregos, troianos e atenienses, e o mais importante: divertimento. Ele diverte a plateia, seja com seu baixo, com seus joguetes vocais ou sua performance. E adivinha? Ele estará neste domingo no #somdamata acompanhado de uma seleção de músicos. Imperdível! #culturapotiguar #culturadorn #musicapotiguar
Em breve as estampas mais iradas do mercado, em camisas de excelente qualidade e o menor preço. Quer mais? Pois tem. Frete grátis para Natal! Sigam @cretivecamiseta e fiquem por dentro das novidades. #camisetasestampadas #culturapop #estampascriativas
Mirabô passando o som com o luxuoso acompanhamento de Rose Flor Caete. Início dos shows em instantes na Pinacoteca. Sami Tarik abre os trabalhos. Primeira edição do Mostra de Música Sete e Meia! #musicapotiguar
Fabio Rocha, vulgo @zecaxanga, é nosso Forrest Gump da música potiguar. E ele vai reunir oito bandas num festival no Ateliê Bar, próximo sábado. Baile imperdível e por isso tem textinho no nosso Papo Cultura sobre o evento e sobre os 18 anos de labuta desse cara. Merece! #musicapotiguar