Cineclube Natal promove mostra com três filmaços sobre transsexualidade

A transsexualidade está na pauta do dia. Depois que personagens trans ganharam destaque na novela das 9, e que o tema passou a ser cada vez mais frequente no noticiário, homens e mulheres trans passaram a ter visibilidade. Ao mesmo tempo, o preconceito grassa. Para o Cineclube Natal, nada como a arte para entender melhor o assunto. É por isso que, nos próximos dias 19, 20 e 21 de outubro, a Mostra “Trans” invade o Teatro de Cultura Popular, com os filmes “Romeos”, “Tangerine”, e “Vitruviano”, dois longas e um curta que tratam da temática, com um debate no último dia. As sessões começam sempre às 18h30, e a entrada custa R$ 5.

No primeiro dia, “Romeos”, comédia dramática alemã de 2007, traz como protagonista um jovem de 20 anos que acaba de se mudar para Colônia para viver uma nova fase, já que nasceu Miriam e agora se apresenta como Lukas. Com humor e ousadia, o filme retrata Lukas como um rapaz com conflitos bem comuns para a sua idade, e investe na fórmula das comédias românticas para naturalizar a temática da transsexualidade.

Com “Tangerine”, que o jovem cineasta Sean Baker filmou inteiramente com uma câmera de celular, o humor também aparece, mas ao lado da crônica social. Na trama, Sin-Dee Rella é uma travesti e prostituta que acaba de sair da prisão e descobre acidentalmente que o namorado e cafetão Chester a está traindo. Sin-Dee sai pelas ruas de Los Angeles com a amiga Alexandra em busca da amante. O acerto no ritmo, na fotografia e nas atuações fazem de “Tangerine” um bom exemplar do recente cinema independente americano, e lhe renderam o prêmio de melhor ficção de temática LGBT no Festival do Rio 2015.

A programação termina no sábado, 21, com a exibição de “Vitruviano e o Poema da Inerente Invisibilidade”, curta do diretor radicado em Natal Sihan Félix, que estará na sessão para debater o filme com os convidados Bia Crispim de Almeida, professora, e Manuel Sabino Pontes, defensor público. Em “Vitruviano”, de 2016, entre versos sobre a inerente invisibilidade imposta à sua condição, uma mulher no corpo de um homem reflete a sociedade a que o poema do título se refere.

As exibições terão início sempre às 18h30, no Teatro de Cultura Popular da Fundação José Augusto, e o Cineclube Natal cobra uma taxa de manutenção não obrigatória para entrada, de R$ 5.

Serviço:

O quê? Mostra Trans, com “Romeos”, “Tangerine” e “Vitruviano”
Onde? Teatro de Cultura Popular da Fundação José Augusto – Rua Jundiaí, 641 – Tirol
Quando? 19 a 21 de outubro (quinta-feira a sábado), 18h30
Quanto? R$ 5, taxa de manutenção

About The Author: Sérgio Vilar

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *