CURTINHAS: Jornalismo e música em novo projeto, Sinfônica da UFRN, Som da Mata e mais

MÚSICA E JORNALISMO

O RN ganha a partir deste sábado um espaço aberto para debater o jornalismo e os desdobramentos da profissão para a categoria e a sociedade. Organizado pelo recém-criado POTI, Coletivo de Jornalistas do RN, formado por jornalistas empreendedores e professores de jornalismo, o Café Impresso ocorre uma vez por mês, a partir das 15h, no Nalva Café Salão, bairro da Ribeira. Após os debates, haverá um pocket-show com um artista convidado. Quem abre os trabalhos é o cantor e compositor Júlio Lima, a partir das 17h. Antes das discussões, o POTI vai exibir vídeos de profissionais do Estado respondendo a pergunta principal do Encontro. Para esta edição, uma provocação: “Pra que serve o jornalista?”. O Café Impresso é gratuito e aberto a jornalistas e demais interessados. No formato horizontal proposto pelo Coletivo não haverá composição de mesa, apenas um mediador para organizar as intervenções junto ao público. E eu já faço lanço ideia para outro tema: “Onde existe, hoje, jornalismo?”.

SINFÔNICA DA UFRN

A abertura da temporada 2017 de Concertos Didáticos da Orquestra Sinfônica da UFRN começa nesta quinta com a participação de 350 alunos de escolas pública e privada. O concerto acontece às 14h, na Escola de Música da UFRN. Esta é uma das poucas iniciativas de educação musical mantida por orquestras sinfônicas no país. Para a primeira edição deste ano, o projeto terá a participação da escola Doméstica, do IFRN – polo de São Paulo do Potengi e alunos do curso de violino da Escola de Música da UFRN. No primeiro momento, os alunos são apresentados à Escola, aos instrumentos e aos naipes de uma orquestra. Depois, é feito um concerto exclusivo. Para esta quinta, os jovens vão escutar obras de renomados músicos da história mundial: Georges Bizet, Guerra Peixe, Clóvis Pereira, Carlos Gomes e Antonin Dvorák. Fantástico!

FESTIVAL MÁRIO TAVARES

E a Escola de Música da UFRN já tem preparada a programação do Festival Mário Tavares. Uma homenagem a um dos regentes mais respeitados do Brasil na segunda metade do século passado. Natalense e pouco reconhecido por aqui e da linhagem tradicional do violoncelo potiguar, iniciado lá atrás com Aldo Parisot. Na programação do Festival vão ter concertos, palestras, recitais e presença do compositor e musicista pernambucano Silvério Pessoa. O evento acontecerá entre 21 e 31 de maio.

DANÇANDO NAS DUNAS E SOM DA MATA

O projeto Dançando nas Dunas deste sábado, às 16h30, traz ao Anfiteatro Pau-Brasil o Balé Popular Terras Potiguares, com o espetáculo Inversos e Cores! O grupo de Passa e Fica possui mais de 35 componentes e sete sequências folclóricas envolvendo dança, música e teatro, sempre acompanhados por uma banda regional, composta por sanfona, violão, zabumbas, ganzá, alfaias e outros instrumentos. E no domingo, no projeto Som da Mata, no mesmo horário, vai ter Carlos Zens e a banda Rabeca Peixe-Boi, formada por jovens do bairro Felipe Camarão, todos influenciados pelo Boi do Mestre Manoel Marinheiro, na rabeca de Mestre Cícero e nas brincadeiras do João Redondo do Mestre Chico Daniel. Ingresso para o Parque das Dunas por R$ 1.

CADU E O SÃO JOÃO

O prefeito Cadu Alves esteve hoje, acompanhado do secretário de Cultura, Dácio Galvão, em audiência com o ministro da Cultura, Roberto Freire. Motivo? Recursos para viabilizar o São João de Natal.

About The Author: Sérgio Vilar

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *