Beco da Lama para além da vida e da arte


Oscar Wilde foi quem soltou o jargão “a vida imita a arte”. Mas foi George Orwell quem provou o contrário. Isso a partir do Beco da Lama. Ficam nessa especulação besta se Zé Sperry pousou no Potengi. Que nada! George Orwell foi quem esteve aqui, e remexendo o mel no fundo do copo lá em Nazi, assistindo aquele cotidiano arrastado, soltou essa: “A arte imita muito mais a vida do que a vida imita a arte”, contradizendo Wilde.

Ora, de certo Orwell viu o rebolado de Gardênia in passant naqueles paralelepípedos disformes. Viu Helmut pedindo dois reais em troca de um guardanapo poético. Conheceu um poeta chamado Black Out, como se a poesia não precisasse sempre de luz. E enxergou ao longe o que disseram ser Osório, “o último comunista”. Foi quando pensou num filme chamado 1984, fazendo arte a partir das cenas da vida.

Isso sem falar nos tantos anônimos que mantêm o velho Beco até hoje sem migrarem aos registros oficiais. Veio deles, inclusive, a inspiração de Orwell para tantos artigos de cunho anarquista; veio da aura becodalamense, desde sempre um caos organizado numa vivência quase teatral, de personagens, lugares e folclores que parecem espetaculoso, imaginário, lúdico, como se a arte corresse embriagada por aquelas adjacências.

Mas a verdade ali é diferente. É a vida nua, crua e mais das vezes injusta. Gardênia, Helmut, Black Out, foram/são personagens de uma vida demasiadamente real, mas que poderiam figurar nos romances ficcionais de Orwell ou nos seus ensaios sobre política e socialismo real. São as pessoas poetas, as pessoas anônimas, as pessoas de vida incomum, ditas “marginais” e inseridas em crônicas banais como essa, mas invisíveis ao seio social.

É que no Beco da Lama há dessas misturas, dessas incongruências e contradições. Ali, definitivamente, a vida não imita, mas procura a arte como forma de amenizar os dias. E até esquece, por instantes, que enfrenta preconceitos pela existência boêmia, pelo anarquismo espontâneo de quem escolhe um chão libertário para passar uma tarde de cervejas e papos de calçada, para falar de poesia, de política e de futebol.

Não, amigo, a vida não imita a arte no Beco da Lama. Orwell estava certo. Naqueles chãos boêmios, a arte imita a vida. Mas a arte de viver. Sim, porque viver é uma arte. Chaplin lembrava que a vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Então, ali se discute, ali se briga, ali se bebe, se canta e se arrepende, se vive mais intensamente a verdadeira vida, mesmo que sem aplausos ou tapete vermelho.

Ora, para encerrar a conversa, a arte imita a vida no Beco porque na arte tudo cabe e no Beco tudo há. É uma comunhão perfeita entre criação e criatura. No Beco da Lama se encontra o terreno fértil para telas de Franklin Serrão e Marcelus Bob, para performances de Civone, para Jarita aprontar das suas no carnaval das Kengas, para um tema de música aqui e uma peça de teatro ali, ou para Assis Marinho encontrar o olhar perfeito de São Francisco.

Mas quer saber? Penso mesmo é que a boemia imita o Beco da Lama. É isso. Porque a boemia está mais perto das alegrias e das tristezas do que a arte. Na arte, as vivências são dramatizadas. Na boemia, sobretudo do Beco, é a vida como ela é, para além de Nelson Rodrigues ou para muito mais do que Orwell ou Wilde conseguem decifrar em vãs filosofias. Ou o Beco seria a metáfora da Revolução dos Bichos?

sergiovilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

CONFIRA TAMBÉM

2 Comentários

  • Ruben G Nunes
    Ruben G Nunes
    29 de maio de 2017 at 16:10

    Sérgio-velho croniketa porreta! O Beco já merece uma música, um hino, um xote, uma ópera, um rock, um sambão de raiz, menos essas porras de kuduro (pelo amor de Nasi!). Ei, uma coisa que como leitor sinto falta é lá no inicio da croniketa o nome do autor. Li o título da tua croniketa e fiquei interessado em ler. Não sabia que era tua crôniketa. Daí queria saber quem escreveu aquele título chamador. Vim até o final e penso que foi você – tem tua foto e tudo. O nome do autor é a espuma do chopp, velho! É a reada ideal – sem camisinha – naquele roçar carne-na-carne nas conjunturas da Natureza… é tirar a camisinha e botar a cabeça do autor nos conformes… um abração desse seu leitor e colaborador…

    • sergiovilar
      Sérgio Vilar
      29 de maio de 2017 at 17:22

      É o principal defeito deste layout, mestre Ruben! Não tem um “cabeçalho” com o nome do autor, infelizmente. Mas é coisa pensada para o próximo ano, numa futura reformulação do site. Mas costumo colocar o nome, escrevendo eu mesmo, sem cabeçalho, quando são textos dos colunistas. Mas já que é meu mesmo, não fiz questão rs Abração!

COMENTE

Receba nossas melhores notícias por e-mail

FACEBOOK

Instagram

Homenagem ao Casarão de Poesia agorinha no @Bardallos, pelo Insurgências Poéticas. Nossa @creativecamiseta presente. Rolou até uma garoa para um clima mais aconchegante. Daqui a pouco a poética currais-novense de Iara Carvalho e Wescley Gama. Salve os 10 anos do Casarão! #poesiapotiguar
Clube do Samba Potiguar rolando no Mercado de Petrópolis. Projeto massa capitaneado por Andiara Freitas. Resgate da fina flor dos sambistas potiguares e incentivo à música autoral. #sambapotiguar #musicapotiguar
Espetáculo Gonzagando, pela Companhia de Dança da TAM, dirigido por Wabie Rose, no Arraia da Meninada, Cidade da Criança. Belíssimo! #culturapotiguar
Com o magro Tacito Costa para prestigiar o show de Sami Tarik no @bardallos. Começa às 21h. Só chegar. #musicapotiguar
Se você acha shows instrumentais tediosos eis o cara para desmistificar esse conceito. @sergiogroove não é só um gênio do contrabaixo, ele traz ao palco carisma, versatilidade para agradar gregos, troianos e atenienses, e o mais importante: divertimento. Ele diverte a plateia, seja com seu baixo, com seus joguetes vocais ou sua performance. E adivinha? Ele estará neste domingo no #somdamata acompanhado de uma seleção de músicos. Imperdível! #culturapotiguar #culturadorn #musicapotiguar
Em breve as estampas mais iradas do mercado, em camisas de excelente qualidade e o menor preço. Quer mais? Pois tem. Frete grátis para Natal! Sigam @cretivecamiseta e fiquem por dentro das novidades. #camisetasestampadas #culturapop #estampascriativas