Forró do Candieiro resgata atmosfera do passado em festa no Litoral Sul

A luz baixa dos candieiros, o terreiro de chão batido ou de cimento queimado e o fole roncando noite adentro. Numa época em que a atenção não era dividida com a tela hipnotizante do celular e quando as estrelas não competiam com os faróis dos postes, o forró era dançado assim. Esse clima é resgatado todo ano no dezembro 13, no dia de nascimento de Luiz Gonzaga, o rei do baião. É data de Forró do Candieiro, no Centro Cultural Casa de Taipa, que chega à sua quarta edição no Sagi, paraíso do litoral sul potiguar a 95 Km de Natal.

O 4º. Forró do Candieiro tem fogo e espírito de tradição. Dois trios pés de serra tocam quase que exclusivamente Luiz Gonzaga, senhor de um repertório fabuloso que ajudou a imantar as coisas do Nordeste em todo o Brasil. “É mais do que merecido a homenagem a esse mestre que marcou a infância de muita gente e influenciou tudo aquilo que conhecemos hoje como forró, baião, xaxado e afins”, comenta Carlos Rubens Araújo, idealizador do evento e diretor do Centro Cultural Casa de Taipa. O lugar é uma espécie de ilha da arte e da cultura, com biblioteca e acervo de CDs, vinis e DVDs na pequena Sagi, um vilarejo com pouco menos de mil pessoas e que não dá bola nem sinal para celular.

São seis horas de Luiz Gonzaga que, este ano, ficará por conta de trios vindos de Pedro Velho, município vizinho a Baía Formosa, onde fica a praia do Sagi: Timbó do Acordeon e Forró Bom pra Dançar. Sanfona, zabumba e triângulo na penumbra dos candieiros dividem a festa com um ambiente rústico, cercado por duas casas de taipa e uma cozinha com fogão a lenha e caldos de vaca atolada e de feijão, servidos gratuitamente para quem chega. E por falar nisso, a festa é de graça e começa às 19 horas. “Temos mantido sempre um clima delicioso, com boa música e muita gente animada. É como voltar ao passado, trazendo junto aquela atmosfera de harmonia e felicidade”, finaliza Rubens Araújo.

About The Author: Sérgio Vilar

Sérgio Vilar

Jornalista com alma de boteco ao som de Belchior

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *